Sobre

Revelara, o lar das minhas devoções.

Mesmo que não seja, a chamarei de Lara!

Diferente da minha mãe, um possível Mafalda, a escolha do meu nome foi direta e reta. Bem assim, como no título, disse uma conhecida da família sem dar chance a outras possibilidades de nome. Como uma daquelas escolhas da vida que encaixam perfeitamente sem qualquer planejamento.

Da mesma forma que surgiu o jornalismo para mim: de um abismo entre a escolha e a certeza, o aconchego dos ajustes ao findar o curso. Um caminho sem volta aos encantos da comunicação aonde a escrita passou a se chamar casa.